O mimimi dos livros “modinhas”. - Leitores Anônimos

Post Top Ad

Leitores Anônimos

O mimimi dos livros “modinhas”.

Compartilhar


Estava eu, cá com meus botões, pensando em qual seria um tema bacana pra falar aqui na coluna, quando, do nada me, deparo com um post no facebook de uma pessoa falando sobre o lançamento do filme “Se eu ficar”, que ao que tudo parecia, seria a nova “modinha”, tomando o lugar da “modinha” anterior, que todos conhecemos como “A culpa é das estrelas”, ou “ACEDE”, para os íntimos.

Confesso que eu nunca tinha visto a palavra “modinha” tantas vezes numa mesma frase.

Na hora me deu vontade de comentar, mas eu me contive, até porquê qualquer post que traga a palavra “Modinha” ganha dezenas de likes e centenas de comentários, o que acarretaria numa infinidade de notificações no meu facebook, e eu não estava preparado psicologicamente para me irritar com alguns comentários que com certeza iriam aparecer.

"Modinha  é a Miley Cyrus da literatura. Sempre traz uma polêmica"

Pra começar, nada contra as pessoas acharem que um livro é ruim, ou chato, ou mal escrito. Cada livro tem um público específico, e se você não se enquadra nesse público é natural que você não goste. E isto não é um crime, livros são assim, você tem todo o direito de ler e não gostar, mas também tem a obrigação de respeitar aqueles que gostaram. Afinal, você não gostaria que alguém criticasse seu livro preferido. Respeito é fundamental.

Também não tenho nada contra as pessoas acharem que um determinado livro é “modinha”. Mas aí eu pergunto pra você: o que é modinha?













Falou em modinha e já começa o mimimi


Vamos lá:

O autor passa meses, até anos, escrevendo um trabalho que ele espera ser aceito pelo seu público. Ele quer que o livro seja lido, compartilhado, comentado, indicado. Ele quer que as pessoas leiam e tirem alguma lição daquilo. Se não for uma lição de vida, que ao menos seja uma distração, que a faça esquecer dos seus problemas por um minuto e embarcar em um mundo novo, diferente, mágico. Daí, esse autor consegue fazer um trabalho que agrada uma grande parcela desse público, e logo depois ele ganha a tarja de “Livro Modinha.

As pessoas que dizem amar a leitura são as primeiras a julgarem e rotularem o dito livro, e gostaria de deixar claro que não estou falando apenas de ACEDE, até porquê esse termo “modinha” já foi usado várias vezes antes disso. Harry Potter, Crepúsculo e Cinquenta tons de cinza que o digam. E antes que alguém venha dizer: “perdeu todo meu respeito ao citar Crepúsculo e Cinquenta tons”, eu volto para um tópico fundamental na hora de você chamar um livro de ruim ou de modinha.



Vamos lá de novo:

Você diz que o mundo precisa de mais livros, você compartilha posts de que as pessoas seriam melhores se lessem mais. Você é uma adepta, ou adepto, da literatura, e alega que deveria existir um bolsa livro, assim como tem o bolsa família, para que as pessoas possam comprar livros. Aaaah, livros. Você ama sentir o cheirinho dos livros, ama se apaixonar pelos personagens, morre de ódio quando acontece o imprevisível, ou até mesmo o previsível, e seu personagem preferido morre.  Você ama o tamanhinho das letras, sonha em encontrar seu amor na biblioteca, adora conversar com alguém que leu o mesmo livro que você, e o mais importante de todos, você adooora indicar aquele livro que você amou.

Mas espera aí que agora eu fiquei confuso. Você gosta de conversar sobre o livro que você leu e também indica pra que mais pessoas conheçam essa maravilha literária que você têm nas mãos. Mas, se as outras pessoas continuarem a fazer isso, esse livro também não vai virar modinha?  E se isso acontecer você vai passar a gostar menos dele por isso? Ele vai passar a ser ruim? Detestável? Horrendo? Você vai dizer que o livro é uma porcaria simplesmente porquê mais pessoas estão lendo e indicando?


Está tendo um pouco de contradição nas suas atitudes, não está não?

Além disso, vem um outro fator fundamental nesse debate: a leitura.
Ler, por si só, já é um ato rico, já ajuda o ser humano a entender melhor o que acontece ao seu redor, a interpretar melhor o mundo. Amplia seu vocabulário, alivia o estresse, relaxa, acalma, é um verdadeiro remédio para o psicológico.  Aí vem uma pessoa que se diz “adepta da leitura” mas que julga os outros por estarem lendo “livros modinhas”.

Minha gente, vamos parar com isso que tá feio, né?

Deveríamos estar contribuindo pra que a “modinha de ler”, seja lá o que for, estivesse tomando conta do mundo inteiro. Deveríamos ficar felizes em saber que mais alguém começou a ler, até porquê, esses livros modinhas estão trazendo mais pessoas para o maravilhoso mundo da literatura. Ninguém começa a fazer um exercício físico do nada, ele precisa de um estímulo, e esses livros são o estímulo para muitos deles.
Conheço uma galera que odiava ler, até que conheceu ACEDE. Hoje eles são devoradores de livros, se apaixonaram pela leitura e estão sempre buscando novas formas de explorar esse universo. Daí é justo dizer que “modinha” é ruim? Porquê? Porquê ele trouxe mais pessoas para a literatura? É justo dizer que Crepúsculo é ruim, um livro que vendeu milhões de exemplares em todo o mundo?  Você já se perguntou quantos milhões de pessoas nunca haviam lido nada na vida e começaram a ler depois dele? Ok, eu confesso que a autora exagerou um pouco transformando uma figura lendária como o vampiro em um ser que brilha no sol. Mas isso não muda a importância do livro para o mundo literário, isso não muda que ele fez uma transformação na forma de pensar das pessoas e causou um frisson. O mesmo acontece com Cinquenta tons de cinza, que não vou entrar mais a fundo porquê isso já é assunto pra uma outra matéria.

Eu sou escritor, como todo mundo já deve saber, e o que eu mais quero é que meu livro vire modinha. EU QUERO QUE MEU LIVRO VIRE MODINHA. Quero que todo mundo leia, indique, recomende, compartilhe trechos, dê de presente, vibre, chore, leia, releia, rereleia, queira um filme, queira uma série, quero que ele VIRE MODINHA.



E vamos parar de mimimi, porquê ser modinha é bom sim. E os leitores deveriam ser os primeiros a parar com essa palhaçada de julgar os próprios amigos leitores, porquê ler é fundamental para ampliar a nossa mente, e se você, mesmo lendo tanto, continua preso a preconceitos bestas, acho que precisa ler um pouco mais, porquê tem gente lendo bem menos e com a mente bem mais aberta que a sua.

Encerro por aqui e fico aguardando as pedradas da galera adepta do termo “modinha”.

The mimimi is coming.





Me add no face: MEU FACE
Minha PáginaFANPAGE


Me segue no: TWITTER


Aguardo vocês nas minhas redes sociais.



10 comentários:

  1. Então vamos...mimimi é pq as pessoas ''intelectuais'' se acham no direito de julgar o que os outros estão lendo,ok,tem os clássicos,mas não se pode obrigar todos ler o que queremos ou gostamos,que venha mais livros modinhas,o principal é todos ler alguma coisa

    ResponderExcluir
  2. Aplausos!

    Eu leio de tudo. Leio modinha, leio teses científicas, já li muita auto-ajuda, clássicos e qualquer outra coisa que desperte minha curiosidade, seja pra me ensinar alguma coisa ou simplesmente me distrair. Tenho minhas preferências como todo mundo, acho muita coisa uma porcaria (não apenas livros chamados "modinhas" ou "bobos", mas muitos livros chamados "intelectuais" também) e amo muita coisa que outros acham uma porcaria.

    Entendo por mimimi algo vomitado por alguém que:
    1) Não tem argumento pra criticar ou defender alguma coisa e normalmente parte pro drama ou pra ignorância com grosseria e ofensas;
    2) Tenta generalizar sua opinião como se fosse a verdade absoluta enquanto todo mundo que pensa diferente está errado;
    3) Qualquer outra coisa do gênero.

    Se existisse mais RESPEITO para com o gosto alheio, a vida seria mais bonita. Nesses grupos do facebook eu leio muita coisa que fico tipo "é sério isso????", mas raramente me envolvo em discussão porque não vale a pena. Só me dou ao trabalho se eu tiver um argumento sólido e perceber que a pessoa vai saber lidar com uma opinião divergente, senão passo reto e finjo que nem vi.

    Esse fim de semana eu assisti Harry Potter pela primeira vez. Vi todos os filmes em três dias. Tenho 21 anos (quase 22) e cresci acompanhando de longe o lançamento deles, com muitos amigos (e meu irmão) fascinados com a história e eu nunca tive vontade de conhecer. Não entendia o porquê de tanto alarde. Agora que decidi assistir os filmes, fiquei totalmente encantada e não falei de outra coisa aqui em casa durante o fim de semana. Meu irmão que já conhecia (e me passou os filmes, aliás) conversou comigo de bom grado, super animado e foi acompanhando onde eu estava conforme eu ia assistindo com perguntas tipo "Tá em qual agora? Depois você vai entender tal coisa, continua vendo." Agora, assim que a faculdade aliviar, eu quero muito ler os livros. Mas sabe uma coisa que eu tenho plena consciência? Por mais encantada que eu esteja com Harry Potter agora, não vou poder falar sobre isso em nenhum desses grupos porque sei que vou ser hostilizada de três formas:
    1) Nossa, você nunca tinha visto/lido? Que absurdo! Como assim??? E ainda diz que gosta de livros fantásticos?
    2) Aff... Essa ~~modinha~~ já é velha, que chatice.
    3) Poser.

    Mais uma vez eu volto na questão do respeito e acrescento a valorização do lado positivo das coisas. As meninas andam lendo Crepúsculo e ACEDE e ficando apaixonadinhas por um moribundo perneta e um vampiro cintilante? Deixa que fiquem, PELO MENOS ESTÃO LENDO! E por experiência própria, posso afirmar que essas leituras mais simples são apenas o primeiro passo. Quando a gente pega o gosto por ler, é inevitável buscar novos desafios, querer conhecer leituras diferentes e mais "intelectuais". E tem alguém falando sobre algum livro que você não gosta ou sendo "irritante" pra você? Finja que não viu e deixa a pessoa conversar com quem também se interessa pelo assunto, que é o que costumo fazer. Ou ainda, se você não gosta do livro que ela adora e tem argumentos pra isso, argumentos válidos e não um raso "achei uma bosta", vai lá e tenta uma discussão saudável, buscando mostrar diferentes pontos de vista pras pessoas e aceitando refletir também sobre pontos de vista diferentes dos seus.

    Mas é isso aí, incoerência grita nessa atualidade onde aparentemente "ler é uma coisa boa, mas virou modinha, e modinha é ruim, então… acho que ler é ruim".

    E pra finalizar, um fato bem fatalístico: John Green e companhia estão cagando pra opiniões que julgam os livros deles ruins por serem modinhas e limpando a bunda com os dólares que esses livros lhes renderam. Lidem com isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei o seu comentário, Marcela. É exatamente isso que acontece. Eu ri com alguns trechos, você escreve muito bem. Daria uma ótima colunista, hem! hahahaha
      Parabéns e obrigado por comentar.

      Excluir
    2. Vou procurar acompanhar sempre suas colunas agora, gostei muito do que escreveu. E obrigada, fico muito feliz com o elogio! rs

      Excluir
    3. Eu que agradeço. ;)

      Excluir
  3. J. A. Marcos, simplesmente AMEI seu texto!
    Sensacional!
    Eu adoroooo "modinhas" e que venham mais livros que me emocionem, que me prendam e que me façam querer fazer parte da história.
    Como o texto diz, vc adora o livro, indica, acha o máximo, aí todo mundo começa a gostar do mesmo livro que você e pronto, ele já não é mais tão especial... Ahh, por favor!
    Se as pessoas se preocupassem menos com o que as outras estão fazendo, ou lendo, e se preocupando mais com suas próprias vidas, teríamos muito menos preconceito, violência, e abelhudos nessa vida! Cada um cuida da sua estante, por favor!

    Ps: Tomara que seu livro vire modinha! ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadoooo. Espero que meu livro vire modinha também. hahaha

      Excluir
  4. Taynara Souza Rodrigues9 de setembro de 2014 16:44

    Acho que as pessoas tem o direito de ler o que quiser sem que os outros digam que ler isso aquilo é errado. Eu tomei gosto pela leitura depois de ler Crepúsculo que era a "modinha das modinhas" na época, muita gente criticou o livro e me criticou por ler ele. Mas na verdade foi só o pontapé inicial para que eu me interessasse por vários outros tipos de livros.
    Então acho que as chamadas "modinhas" são ótimos incentivos e deveriam ser mais aceitas que apedrejadas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Taynara. Quanto mais modinhas, mais incentivo para conquistar novos leitores. ;)

      Excluir
  5. Acho essa história de modinha nd a ver podemos classificar por lançamentos pois todo mês é lançado livros e se tornam mais lidos os mais bem escritos principalmente romances.Leio um pouco de td desde gibis classicos e os ditos modinhas e tem os q gosto eos que acho um lixo.Mas cada um tem uma maneira dever e pensar e respeito cada opinião.

    ResponderExcluir

Post Bottom Ad

Leitores Anônimos

Pages