Resenha: Não Posso Resistir - Leitores Anônimos

Post Top Ad

Leitores Anônimos

Resenha: Não Posso Resistir

Compartilhar
Gostaria de começar essa resenha falando sobre as diferenças em resenhar livros de amigos x livros de não amigos. Quando leio um livro, procuro não me apegar a quem é o autor. Lógicamente que quando se trata de um autor que já conhecemos, é possível notar algumas características de escrita. Mas, diferenciar um livro do outro sem fazer com que o carinho ou não pelo autor interfira no trabalho é algo complicado. Mas, necessário. Sobre resenhar o livro de um amigo, existe ai uma grande responsabilidade. É preciso ser fiel ao trabalho, ler com o olhar profissional e estar preparado para dizer coisas que possam vir a não agradar. A gente quer que o autor fique feliz, mas antes de começar a leitura dá um frio na barriga. A gente se pergunta: será que o livro é bom? Será que faz meu estilo? Será que vou gostar? OMG. E aqui estou eu pra vocês, pra resenhar o livro de uma amiga, sendo o mais profissional possível e esperando não fazer besteira. Afinal, assim como o próprio título do livro, se o assunto é resenhar, eu preciso ser sincero, eu “Não Posso Resistir”.  




Livro: Não posso resistir
Autor(a): Kely Brenzan
Páginas: 288
Editora: Tribo das Letras


Sinopse:  A vida de Luciana não poderia estar mais chata e tediosa depois de sua amiga casar-se e ir viver o seu “feliz para sempre”, nos Estados Unidos. Morando sozinha no Rio de Janeiro — uma das cidades mais agitadas do país —, ela tenta não enlouquecer com sua rotina de estudos e trabalho. Infelizmente, ela não contava que no seu último ano de faculdade, conheceria Miguel, um homem sedutor, lindo e enigmático, que para piorar, seria o seu professor e orientador. Sua vida finalmente ganharia um novo sentido... Ou complicaria de vez. Luciana sabia que deveria manter distância desse homem, no entanto, é tomada por uma atração avassaladora que caminha em direção aos perigos existentes. Conheça essa eterna jovem apaixonada e embarque em uma história sexy e intrigante, regada a muita paixão, amor, superação e desejo.

Antes de começar o processo de resenha, gostaria de falar um pouco sobre a autora, Kely Brenzan. Fomos amigos de editora. Uma editora que no início de nossas carreiras nos deu um cano e nos deixou a ver navios, uma tal de UNO EDITORA, que sumiu no mundo e deixou seus autores e leitores a ver navios. Continuamos nossa luta até que encontramos a Tribo das Letras. Vamos, não vamos, vamos, não vamos... fomos. Nos tornamos novamente amigos de editora, junto com mais alguns outros autores, mas dessa vez tivemos sorte.
Nossos livros foram lançados na Bienal do Rio, ano passado (2015), e foi lá que tive o primeiro contato com o livro da Kelly.
Aí vocês podem perguntar: mas por que demorou tanto para botar essa resenha no ar, meu filho? E eu respondo, migo. Entrei numa maré de azar que todos os meus aparelhos me abandonaram. O que não foi roubado (celular), deu pau (computador). E fui empurrando com a barriga até que tivesse tudo certinho e tempo para pôr tudo em dia. Eis que esse dia chegou e aqui estou eu.

Primeiro: o livro é HOT. Do inglês: quente. Mas isso vocês já sabem, né? Que Hot é Quente? Enfim, vamos lá.


Como o livro é quente, aconselhamos a leitura na banheira.
 Cuidado pra não perder o fôlego também.

Vamos começar a falar sobre a protagonista. Luciana é uma garota que está prestes a se formar e como todos nós nesse período da vida está com os nervos à flor da pele. Já não bastasse seu estágio, ela ainda precisa dar conta do término e dar adeus a vida de universitária. O fato é que desde que sua melhor amiga casou e foi embora ela sente-se um pouco abandonada.
Parece até que é do signo de câncer. Êta menina carente.

Pois bem, com sua vida de cabeça pra baixo, cheia de problemas pra resolver e pepinos pra descascar, ela conhece Miguel. Essa ideia de colocar “Pepino” e “Miguel” na mesma frase foi proposital, já que o livro é hot vamos fazer vocês usarem a imaginação.
Então, Miguel é o tipo bonitão, todo cheio das “seduzencia” e que para completar ainda mais o pacote da complicação, vai ser professor e orientador da Luciana.

Na boa, só lembrei de quando eu estudava e aparecia um desses professores bonitões e as meninas ficavam todas botando fogo por baixo das saias. Já conheci muita Luciana por aí, viu. Deixa quieto.

O fato é que Miguel possui alguns segredos, coisas sobre a vida dele que não consegue dividir com ninguém. Para mim, que adoro ler essas coisinhas mais sacanas, foi meio difícil não fazer comparações com “Cinquenta tons de cinza” em alguns pontos. Logicamente que a autora aqui em questão tem seu próprio estilo de leitura ( graças a Deus) e não ficou repetindo as mesmas palavras cinquenta vezes na mesma página. Estou me referindo a semelhanças entre personagens. Em algumas coisas o Miguel se assemelha ao Grey. Não vou dizer em quê porque seria spoiler, e quem me conhece sabe que eu não solto spoiler nas minhas resenhas. Porém não foi nada que incomodasse ou atrapalhasse. O Miguel tem sua própria história de vida, de traumas, de problemas familiares. E assim, cabe a mocinha tentar romper essas barreiras e decidir se quer ou não se envolver.

O sorriso no rosto de quem sabe como conseguir o que quer. 

Ela sabe que não deve se meter nessa enrascada. O cara parece ser bom demais pra ser verdade, embora em outro momento ele pareça ser complicado demais. Em algumas páginas, logo no início, me deu tanta raiva dele que eu queria gritar pra Luciana deixar de ser tapada e partir pra outra. Mas depois as surpresas acontecem e a gente deixa eles se virarem pra lá.
E se desvirarem...
E virarem de novo...
E se encaixrem...
Enfim. 


Kely tem uma escrita leve, sem vícios e que agrada muito. As cenas são bem descritas e as partes hots são realmente hots. Bom, eu que gosto de leitura sacaninha gostei por demais. A química entre o casal é de pular das páginas pra fora e fazer com que você imagine um filme. Imagine a cena.

Porém, tem uma coisa na autora que me chamou bastante atenção e que eu acho que vale a pena ressaltar nessa resenha. Ela tem um carisma com o público jovem impressionante, e nós sabemos que por mais que a juventude leia livros hots (não tem como controlar isso), esses livros não são indicados para garotas de 14, 15 anos. Tá, eu sei, hoje em dia a gente vive em um mundo onde o sexo está muito banalizado, mas estamos tentando seguir a regra e as lógicas. O apelo desse público teen com a Kely foi impressionante nos primeiros dias do lançamento do livro, quando estive na bienal e presenciei. No lugar dela, eu tentaria tirar um pouco da pimenta de um próximo livro para agradar também esse público. Logico que se eu gosto de Hots, escreveria meus Hots do mesmo jeito, mas, daria também um presente para esse público escrevendo algo para a faixa etária deles, caso eu tivesse jeito pra coisa. E o que posso dizer é que nesse caso, a Kely tem jeito pra coisa.

É hot que vocês querem? Então chama o bombeiro pra apagar todo esse fogo.

Mas voltando para “Não Poso Resistir”, a Luciana chega de mansinho, joga a gente na parede e faz com que a gente queira ir até o final do livro. A gente se pergunta o que vai acontecer na próxima página, o que pode vir a rolar, será que as coisas vão dar certo? E simplesmente a história flui de uma maneira incrível.
Não vou ficar aqui elogiando o Miguel. Deixarei isso para as resenhistas femininas que poderão ler e falar como o cara tem pegada, como ele fez a Luciana gemer, ou como ele usa cada parte do corpo como um brinquedo erótico pra dar prazer pra a protagonista.

Se quiserem saber se o Miguel é o tipo “gostosão”, vocês vão ter que ler. Mas podem começar olhando pela capa. Bem sugestiva, por sinal.

Eu adoro recomendar livros nacionais, desde que sejam bons, e esse é um que está na minha prateleira e eu recomendo muito. Só não empresto porquê sei que se eu fizer isso ele não volta mais. Por falar nisso alguém pegou emprestado e eu tenho que ir pegar de volta.

Olha a cara da danada. Essa carinha que você vai fazer com uma leitura prazerosa.

Lembram minha ladainha de como é difícil resenha livro de amigos? Então, vocês não tem ideia de como é bom quando a gente termina e diz em alto e bom som: puxa, como essa leitura valeu a pena. 

Parabéns, Kely. Seu livro é ótimo e merece todo destaque possível. 



Espero que tenham gostado da minha resenha e voltem sempre.


------------------------------------>



E vocês, seus lindos, que vem aqui, leem nossas matérias, mas não deixam um comentário, não me seguem nas redes sociais, nem dizem um oi para o pobre colunista aqui, só tenho um recado: estou de olho.


Segue a gente aqui, ó:


Segue a gente aqui, ó:


Instagram do Leitores Anônimos: 
@leitoresanonimos


Me segue Insta: @Jamarcosreal
Me segue no twitter: @jamarcosreal




3 comentários:

  1. Taqueospariu Marquinhos! Que resenha mais linda de morrer! Arrasou amigo! amei, amei e amei muito! A tia aqui não aguenta desse jeito ahahahaha
    Parabéns Marcos! Vc escreve muito bem e conseguiu com maestria fazer esse apanhado da minha história sem spoilers ahahahahah vc é demais em todas as suas resenhas! Bjo grande!

    ResponderExcluir
  2. O livro é realmente muito bom, interessante e por incrível que possa surpreender, tem uma ótima mensagem no final.Kely Brenzan, como leitora, sou sua fã e como amiga, idem! Parabéns Marquinhos pela contagiante resenha!

    ResponderExcluir
  3. Milla! Tb adoro vc!!! E ainda quero realizar um projeto com vcs! Seja ele qual for ahahaha... imagina na loucura? kkkkkkk ;)

    ResponderExcluir

Post Bottom Ad

Leitores Anônimos

Pages