terça-feira, 16 de agosto de 2016

Esquadrão Suicida não terá versão estendida, e produtor defende Zack Snyder

Muita crítica foi dirigida aos filmes da DC este ano – algumas justificadas, outras nem tanto – o que tem levado a um intenso debate nos bastidores da Warner Bros. Pictures.
Desde que Batman vs Superman chegou aos cinemas, a crítica e parte do público têm questionado o trabalho de Zack Snyder nas produções, responsabilizando o cineasta pelos erros (especialmente narrativos) dos longas mais recentes.
Em maio, a criação do departamento DC FIlms, supervisionado diretamente por Geoff Johns, um dos nomes mais importantes da DC Entertainment, já foi uma resposta dos executivos para corrigir o rumo das produções.
Ao mesmo tempo, muito se esperava do lançamento de Esquadrão Suicida, que deveria colocar a DC no caminho certo com uma obra inovadora, estrelada por vilões populares, e diferente de outros longas baseados em personagens dos quadrinhos. O resultado, porém, não agradou a crítica e dividiu novamente os espectadores.
Publicidade
Fonte da imagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures
Agora, a Warner Bros. Pictures parece estar tentando apagar incêndios. Em entrevista ao The Wall Street Journal, o produtor Charles Roven admitiu que a o estúdio prestou atenção às críticas de Batman vs Superman e que isso trouxe mudanças no planejamento dos próximos filmes.
“Levamos em consideração algumas das coisas que aprendemos a partir dos comentários sobreBatman vs Superman”, disse Roven. “Estou dizendo que precisamos prestar atenção às críticas, mas ao mesmo tempo temos que nos manter firmes com a visão (sobre a obra). Zack Snyder é um grande diretor”, comentou o produtor em defesa do cineasta.
Isso significa que podemos esperar uma mudança de tom nas próximas produções! O produtor Charles Roven afirma que foi o próprio Zack Snyder quem teve a iniciativa de trazer um lado mais humorístico em Liga da Justiça – como vimos no trailer exibido na Comic-Con. Mas como será que esse mudança é sentida nos bastidores?
Uma das críticas que se fez ao Esquadrão Suicida na época do lançamento é que o resultado de Batman vs Superman teria provocado uma intervenção no longa de David Ayer. O The Hollywood Reporter revelou, em uma extensa matéria, como foram os últimos tumultuados meses antes do lançamento da produção – incluindo testes com versões diferentes do filme.
Em uma entrevista mais recente, o diretor David Ayer confirmou a existência de “seis ou sete versões diferentes do filme”, incluindo opções lineares da apresentação dos personagens, seguindo uma ordem temporal e com menos flashbacks (diferente da chamada versão “dossiê” que foi usada nos cinemas).
O diretor, no entanto, se surpreendeu com a recepção (ruim) da crítica e do público sobre areduzida participação do Coringa na trama, pois ainda acredita que o personagem tem uma grande influência sobre a narrativa principal.
Já para a revista Empire, Ayer admitiu que, desde o início, Esquadrão Suicida foi proposto como um filme de classificação 13 anos, e que não há material para a edição de uma versão estendida 18 anos – como ocorreu com Batman vs Superman.
Ao Collider, o diretor disse que o filme que está nos cinemas é a sua versão - portanto, não espere uma posterior "edição do diretor", apesar das inúmeras cenas deletadas. De certa maneira, Ayer está defendendo sua visão e o resultado obtido pela produção.
Esquadrão Suicida mal chegou aos cinemas, e as críticas já estão se direcionando também aos próximos projetos da DC Films. Uma suposta ex-funcionária da Warner soltou o verbo em uma carta aberta direcionada ao CEO do estúdio, Kevin Tsujihara, questionando decisões executivas e apontando os fracassos comerciais dos últimos anos.
A carta comenta toda essa polêmica envolvendo os recentes filmes da DC e o drama nos bastidores, e a ex-funcionária sugere que tem informações internas de colegas que ainda trabalham no estúdio que revelam que a Mulher-Maravilha “é outra bagunça” da Warner.
Neste final de semana, a diretora Patty Jenkins, que comandou o longa da Mulher-Maravilha, respondeu essa suposta carta acusando de ser falsa e caluniosa, e que não há ninguém falando mal do seu filme nos bastidores.
Até mesmo o produtor Dany Garcia de Shazam!, filme que nem entrou em pré-produção ainda, precisou comentar a pressão nos bastidores do estúdio, e informou que o sucesso e o fracassos de outros longas da DC não devem impactar sua obra.

Certamente, os próximos meses serão ainda de muito debate sobre os bastidores da DC Films, e só saberemos se a supervisão de Geoff Johns terá mesmo resultados sobre as produções após as estreias de Mulher-Maravilha e Liga da Justiça no ano que vem. Até lá, só podemos torcer pelo melhor pelo bem de nossos heróis (e vilões).

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário