sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Oscar 2017: filme pode ser prejudicado por caso de estupro envolvendo realizador

A Fox Searchlight está com um grande problema nas mãos. A distribuidora adquiriu o filme O Nascimento de uma Nação (The Birth of a Nation) no último Festival de Sundance, com a perspectiva de levar a produção ao Oscar 2017, mas agora terá agora que lidar com um polêmico caso envolvendo Nate Parker, o realizador da obra.
Em 1999, Parker foi acusado pelo estupro de uma jovem na Pennsylvania State University. Ele e Jean Celestin (seu amigo e coroteirista de O Nascimento de uma Nação) foram acusados de abusar sexualmente de uma colega de universidade. No processo, Parker acabou absolvido, mas Celestion foi condenado – o caso foi posteriormente anulado através de um recurso.
Fonte da imagem: Reprodução/IMDb
Apesar de ser um caso antigo e de constar na biografia pública de Parker, o passado voltou a assombrar o ator, diretor e roteirista nesta semana. Reportagens na imprensa americana relembraram a ocorrência e acabaram reabrindo feridas.

Vítima cometeu suicídio

Ao investigar o caso, veículos de imprensa descobriram que a vítima acabou tirando a própria vida em 2012. Ao The New York Times, a família da jovem comunicou: “Nós apreciamos que, depois de todo esse tempo, esses homens estão sendo responsabilizados por suas ações. No entanto, temos dúvidas sobre as motivações ocultas de trazer isso à tona depois de 17 anos e não vamos participar alimentando esse assunto. Embora não possamos proteger a vítima desta tempestade da mídia, podemos fazer o nosso melhor para proteger o filho dela. Por essa razão, pedimos privacidade para nossa família e não deseja fazer mais comentários”.
Apesar da declaração da família, a irmã da vítima não se calou: “Eu sei o que ela teria dito. Ela diria que lutou muito e bravamente, mas acabou vencida. Que tudo que pode pedir é que outras vítimas lutem e não deixem esse tipo de indulgência continuar acontecendo. Esses caras sugaram a alma e vida dela”.
Essas declarações levaram Parker a soltar um comunicado dizendo estar “profundamente triste” por descobrir que a jovem se matou: “Escrevo para vocês devastado. Ao longo dos últimos dias, uma parte do meu passado – a minha prisão, julgamento e absolvição por acusações de agressão sexual – tornou-se assunto de destaque na mídia, em especulações nas redes sociais e em conversas na indústria. Eu entendo por que tantos estão preocupados e, com razão, com muitas perguntas”.

Caso deve prejudicar campanha do filme

Ainda que Parker mantenha sua inocência no caso, informando que a relação sexual foi, inequivocamente, consentida, a percepção da imprensa e da indústria é que a polêmica deve prejudicar a campanha de O Nascimento de uma Nação nas bilheterias e na temporada de premiação.
A produção, que representa um projeto bastante pessoal da Parker (que financiou grande parte da obra), estava sendo cotada como uma das favoritas ao Oscar 2017. O longa conta a história do escravo Nat Turner que liderou uma revolta contra a opressão racial americana.
Além de ser elogiado pela crítica, que ressaltou suas características artísticas quando a obra foi apresentada em Sundance, o filme parecia destinado a ser uma resposta ao #OscarsSoWhite, polêmica sobre a pouca (ou nenhuma) inclusão de negros na premiação da Academia nas edições recentes.
Segundo o site The Hollywood Reporter, o caso de Parker pode dividir a opinião dos espectadores em relação ao filme, mas deverá ter um prejuízo ainda maior dentro da indústria.
“Isso definitivamente prejudica o filme”, disse um produtor do filme ao site. “Acho que as pessoas vão acabar gostando do filme e ignorar os realizadores (Parker e Celestin). Mas acho que em Hollywood, para a temporada de premiação, isso é algo que nós vamos continuar falando nos próximos oito meses, pelo menos”.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário