quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Resenha: Amor Infinito



Parece que faz um século que eu não atualizo nossas amadas resenhas, né? Já estava na hora. Mas sabe como é essas coisas, aparece um monte de contratempo, eu vou lendo os livros e juntando as observações com aquela história de "daqui a pouco eu posto" e esse "daqui a pouco" vai levando uma eternidade.
Enfim, estamos aqui novamente com mais uma resenha de livro nacional. Sou apaixonado por literatura nacional, principalmente por encontrar tanta coisa boa nos últimos tempos. E graças a Jah, esse é um livro que eu tive o prazer de ler e de poder resenhar com a satisfação de fazer uma ótima indicação. Vamos nessa? Conheçam a obra do autor J.M. Alvarez: Amor Infinito.

Livro: Amor Infinito
Autor(a): J.M.Alvarez
Páginas: 380
Editora: Tribo das Letras





Sinopse: No ano de 2327 Yara e seu namorado Felipe descobrem que a joia que ela tem como herança de família na verdade é um pen drive, nele havia um diário que conta uma misteriosa história de amor. O diário conta a história de Germano, um jornalista do Rio de Janeiro, que ao realizar um trabalho em Nova Iorque conhece Elisabeth, por quem se apaixona perdidamente e acredita ser a mulher de sua vida. Entretanto uma forte ligação, muito além de sua compreensão, o aproximou de forma surpreendente de Bárbara, uma grande amiga. Um homem dividido entre dois amores e um segredo escondido pelo tempo. Voltando ao passado, Germano encontra a resposta para desvendar o mistério que influência sua vida, de Elisabeth e Bárbara tantos anos depois, revelando assim o segredo que os conduz àquele Amor Infinito.




Vamos começar pelo que eu posso chamar de "um susto". Sempre que pego um livro eu dou uma breve pesquisada nele antes da leitura. Olho a sinopse. vejo aqueles trechinhos que ficam nas orelhas, quando é o caso, observo a diagramação, capa, detalhes. Em resumo, faço meu apanhado. Assim que li a sinopse imaginei que se trataria de um romance futurista, já que a história aparentemente se passa no ano de 2327. Mas, logo me deparei com algo bem diferente, pois existe ali um esquema temporal digno dos seriados do The Flash. Quem me conhece sabe que eu amo The Flash, enfim, voltando sem perder o foco, a trama não se passava apenas em uma época, mas em 3. 

Peraê. Para, para, para. Era esse o susto que eu estava me referindo. Não era apenas um período, mas 3. E aí eu me esbarrei em um ligeiro instinto: tive medo de que nessa mudança de tempo o autor se perdesse e eu cansasse da história. Além disso, não sou um grande adepto de romance de época. Nada contra, mas a linguagem é muito rebuscada e não faz muito a minha linha. Já imaginei que pudesse me cansar nesse vai e vem de tempos.
Mas deixa eu continuar antes que me perca e misture tudo. Tenho mania de me perder quando estou falando.

Como assim três épocas?

Voltando. A história se passa em três épocas. 
Ousado esse autor, hem! 
1870, 2060 e 2337. 
Pra início de conversa, todo o romance tem  inicio no ano de 2337, e como eu imaginei de início, SIIIM, tem uma pegada bem futurista. Lógico, né? Se a história se passa no futuro, era claro que ia ser futurista. As vezes eu pareço meio retardado. Mas o fato é que o negócio saiu melhor que a encomenda, pois os protagonistas são dois tripulantes do espaço envolto aquele mundão gravitacional e uma relação pra lá de quente. 

Já imaginou fazer o "vuco vuco" em pleno espaço? Eita lelê. 
Yara e Felipe são o casal "quentxura" do espaço, que se amam ardentemente de todas as formas possíveis. Entendam quando eu digo "de todas as formas possíveis" da melhor maneira possível, okay? Não estou insinuando sacanagem extrema. Vamos respeitar.

Imagina as loucuras que dá pra fazer no espaço. Hummmm...

Uma coisa que achei super bacana na trama é a inserção da tecnologia para ajudar a fazer descobertas. É comum que personagens de romances encontrem álbuns de fotos antigas, ou então aquelas cartas em papel amarelado, e por meio delas venha a fazer todas as mil descobertas possíveis. Nessa trama a parada é muito mais bacana. Em determinado momento, Felipe, nosso mocinho, se depara com um pingente em formato de coração que Yara carrega e que acaba por despertar um interesse bastante interessante nele. Algo ali chama a atenção, o problema é que ela é muito apegada a essa joia e não pensa em se separar dela por um segundo sequer.

Depois de alguma insistência, ela enfim aceita ceder aos pedidos de seu boy magia espacial e entrega a ele seu arrimo de família com o maior medo do mundo que ele perca, já que não importa em que época se passe um romance, os homens sempre terão a fama de desastrados e esquecidos. Acho que esse carma nos perseguirá até o fim dos tempos.

Vai ser nesse momento que acontecerá a descoberta de que aquele pingente é nada mais nada menos que um pen drive que carrega a história das vidas passadas de Yara.

Novos personagens começam a surgir, como Germano, um dos antepassados de nossa mocinha que começará a narrar a trama de maneira a nos apresentar toda a história da família.
E falar em história de família é mais uma coisa que eu julgo complicada para um leitor como eu. Já disse no começo dessa resenha que eu não sou muito de leitura de época, e achei que esse livro trataria de uma leitura assim pela questão das passagens de tempo. E além disso, tratar de assuntos de família me deu aquele frio na espinha de talvez me deparar com algo chato e monótono.

Segura meus aplausos, fera!

Mas não fooooooi. Meu Deus que alegria. Sabe quando você abraça o livro e pula com ele no meio da sala? Então. Eu fiz isso na minha mente. Já era tarde e eu não ia assustar a galera com o barulho dos meus pulos, mas mentalmente eu fiz. A trama criada por J.M.Alvarez é tão bem entrelaçada que em nenhum momento você tem aquela sensação de que a história está indo pra um caminho prestes a se perder ou que então você vai cochilar.

Um dos meus primeiros medos ao pegar o livro foi a quantidade de páginas, mas logo esse medo passou com o passar da leitura. A coisa ia fluindo tão bem que o medo que eu fui tendo foi o de ter a história terminando antes da hora. Aquele desespero em terminar, em dizer adeus... vocês entendem.

Como quem me conhece bem sabe, eu não solto spoilers em minhas resenhas e confesso que isso exige um grande sacrifício, porquê dá vontade de falar dos personagens e dos fatos marcantes que acontecem com eles. Não vai ser dessa vez que vou decepcionar vocês e entregar algo do livro, deixando-os traumatizados, com raiva e querendo me matar.
Narrado em primeira e terceira pessoa, Amor Infinito consegue surpreender mais uma vez nisso. Eu tenho uma preferência por livros em primeira pessoa por achar que fica mais fácil de sentir as reais emoções do narrador, e já li alguns livros narrados em ambos os estilos ao mesmo tempo e acabei por não gostar do resultado.
O que acontece é que com Amor Infinito a linguagem do autor é tão dinâmica e fácil de ser entendida que em nenhum momento você acha que ele pecou em um ou outro momento. Tudo bem que os diálogos são menores tendo em vista que existe uma narrativa que se propõe a mostrar acontecimentos do passado da vida dos protagonistas, mas isso é um ponto que não deixa a desejar e que só nos prepara para mergulhar ainda mais na história. 



O sorriso tranquilo de quem não se decepcionou com um livro.
Como falei anteriormente, com o passar das páginas vem o medo do fim. Mas daí vem uma surpresa. O fim não é bem o fim. Não vou falar mais, vocês vão ter que ler pra descobrir.
Pra encerrar, só queria dizer que eu poderia passar o ano inteiro lendo as continuações que essa narrativa maravilhosa poderia apresentar. Consegui imaginar várias vertentes, vários desfechos, várias novas histórias, vários tudo...
Agora é esperar o que vem pela frente, porquê a tirar pelo excelente trabalho do autor, tenho certeza que não irá decepcionar.

E se você se interessou pelo livro, vou deixar aqui o link direto de uma publicação do autor onde você poderá encontrar o livro nesses links:

Link para o eBook:

https://www.amazon.com.br/dp/B01MQF4B7E/

Se preferir a edição impressa, adquira seu exemplar de Amor Infinito pelo link abaixo e pague no cartão, com toda a comodidade. Você recebe seu exemplar em casa, com autografo e brindes exclusivos.
http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-704670485-amor-infinito-_JM

Aproveitem e divirtam-se. 


Espero que tenham gostado da minha resenha e voltem sempre.


------------------------------------>



E vocês, seus lindos, que vem aqui, leem nossas matérias, mas não deixam um comentário, não me seguem nas redes sociais, nem dizem um oi para o pobre colunista aqui, só tenho um recado: estou de olho.



Segue a gente aqui, ó:

Instagram do Leitores Anônimos: @leitoresanonimos


Me segue Insta: @Jamarcosreal
Me segue no twitter: @jamarcosreal





Reações:

Um comentário:

  1. Olá, Marcos!
    Muito obrigado por esta linda resenha. Ficou muito boa.
    Breve começarei a publicar a continuação.

    Grande abraço.
    JM Alvarez

    ResponderExcluir