sexta-feira, 2 de junho de 2017

CEO da Netflix quer cancelar mais séries no futuro — e explica o porquê

Os fãs de séries ainda estão em choque. Nessa última quinta-feira (1º), a Netflix anunciou o cancelamento de Sense8 após a segunda temporada, para a surpresa dos fãs.
E, segundo o CEO da Netflix, Reed Hastings, podemos esperar mais atitudes assim no futuro. Em uma entrevista para a CNBC (que aconteceu um dia antes da notícia sobre Sense8), o executivo comentou que o serviço de streaming deve se arriscar mais no futuro e, com isso, cancelar o que não der retorno.
"A nossa taxa de acerto está muito alta atualmente. Nós cancelamos muito poucas séries. Estou sempre provocando o time de conteúdo dizendo que temos que nos arriscar mais, temos que tentar mais coisas malucas. Porque nos deveríamos ter uma taxa média de cancelamentos mais alta", explica.
O cancelamento de Sense8 pode ter a ver com baixas visualizações da segunda temporada.
O que Hastings quer dizer é que a Netflix estava "jogando muito seguro" atualmente, apesar de ter criado franquias de sucesso no streaming. Para ele, essa nova estratégia dará vida a séries como 13 Reasons Why, cujo surpreso foi uma surpresa até para a empresa. "Ele nos pegou desprevenidos. É uma série incrível, mas não percebemos quanto ela pegaria", diz.
Recentemente, a Netflix começou a sua primeira onda de cancelamentos: além de Sense8, foram arquivadas as séries Bloodline (3 temporadas), Marco Polo (2 temporadas) e The Get Down (1 temporada). Ela vai investir nada menos que US$ 6 bilhões (cerca de R$ 19 bilhões) só em 2017 com a produção ou compra de direitos de distribuição de conteúdos que levam o selo de material original da marca.

Deixa o CEO falar

Separamos mais alguns trechos da fala de Reed Hastings sobre o mercado do streaming e a situação atual da Netflix.

Quando uma série é cancelada?

"Você pode dizer quando nós cancelamos uma série. É uma mistura de quanto e como as pessoas assistem e a taxa de crescimento de assinantes. Na maioria, é a quantidade de gente vendo. Mas tudo isso está bem conectado".

Audiência e dinheiro

"Nós não precisamos lançar os dados de audiência. Cada série tem o seu próprio público porque tudo é muito personalizado".
The Get Down só durou uma temporada

A nova concorrência

"A Amazon, nós, o Hulu e outros players internacionais, como Sky e Gleam, estão investindo em conteúdo original. As pessoas querem o "on demand". Elas querem ser capazes de controlar quando e como assistir. Assim, estamos desenvolvendo toda uma indústria. É uma mistura de "sim, é uma competição que dói" e, por outro lado, está fazendo as exibições pela internet mais populares entre todos". Conteúdo exclusivo: Netflix domina o ranking de produções originais em serviços de streaming.

Força ao redor do mundo

"Ainda temos muito a aprender. Agora, nos demos incrivelmente bem na América Latina e Europa e, claro, na América do Norte. Então, nós aprendemos algumas coisas. Mas ainda temos muito espaço para crescer na Ásia e muitas coisas a serem descobertas".
Via TecMundo.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário