As 26 melhores séries estrangeiras para maratonar - Leitores Anônimos

Post Top Ad

Leitores Anônimos

As 26 melhores séries estrangeiras para maratonar

Compart
Para nós, brasileiros, toda série norte-americana é estrangeira, certo? Mas não é somente dos Estados Unidos que vive a televisão. Que tal aproveitar esse clima de Copa do Mundo e internacionalizar ainda mais nosso repertório de séries? Reunimos nesta lista algumas das melhores produções estrangeiras além dos muros do Tio Sam para você maratonar.

1. Les Revenants (França)

Essa é uma série francesa extremamente melancólica e reflexiva que lembra um pouco Six Feet Under, mas sem o humor negro. É só paulada. Trazendo questões morais e personagens um tanto quanto perturbados, Les Revenants mostra pessoas comuns que morreram em épocas diferentes voltarem à vida e terem que se reinserir na sociedade. A série ganhou uma versão norte-americana (claro), chamada The Returned, mas não vingou. Já a original venceu o Emmy Internacional de melhor série dramática em 2013.
Como assistir: HBO Max/Globosat Play.

2. Broadchurch (Reino Unido)

Estrelada por David Tennant e Olivia Colman, a série britânica tem três temporadas e mostra o impacto em uma cidadezinha pacata quando um menino de 11 anos é assassinado e a mídia faz um escarcéu na cobertura do crime. Como em quase todas as séries investigativas europeias, o mais importante não é descobrir o assassino, mas sim analisar como a tragédia reflete na vida das pessoas. O final da primeira temporada é bastante tenso.
Como assistir: GNT/Globosat Play.

3. Merlí (Espanha)

Falada em catalão, a série conta a história de um professor de Filosofia chamado Merlí, que chega a uma escola para quebrar alguns tabus e fazer os alunos pensarem. Embora carregue alguns clichês já vistos inúmeras vezes, a produção cativa pelos personagens e pelo imenso poder de reflexão.
Como assistir: Netflix.

4. As Telefonistas (Espanha)

Essa é a primeiríssima série original espanhola da Netflix, e o país veio com tudo. O drama de época acompanha várias mulheres trabalhando na primeira companhia telefônica da década de 1920, antes do colapso financeiro que atingiu o país. A série mostra o relacionamento forte dessas mulheres durante um período complicado. É uma novelona irresistível.
Como assistir: Netflix.

5. The Fall (Reino Unido/Irlanda)

Gillian Anderson interpreta uma detetive disposta a capturar um serial killer que vem aterrorizando a cidade de Belfast, na Irlanda. A série traz a perspectiva tanto da policial quanto do assassino e ainda apresenta personagens femininos ótimos. Boa para quem gosta de um drama psicológico com toques de ação.
Como assistir: Netflix.

6. Clube de Cuervos (México)

A série mexicana é a primeira da Netflix falada em espanhol e conta a história de uma família ligada ao universo do futebol. Embora o assunto possa afugentar quem não curte o esporte, o programa vai além. Por ser uma comédia, a narrativa surpreende ao deixar o público vidrado com a guerra por poder da família Iglesias. Às vezes, é uma grande novela; já em outras, parece que estamos vendo um documentário. Além disso, é uma das poucas produções que conseguem falar sobre futebol sem cair no estereótipo.
Como assistir: Netflix.

7. Trapped (Islândia)

Filmada na Islândia, Trapped começa quando um barco com mais de 200 passageiros sai da Dinamarca em direção a uma pequena cidade da Islândia. Chegando lá, uma nevasca impede que a embarcação retorne, e um corpo mutilado é encontrado na água. Com um plot twist excelente, a história engrena lá pelo terceiro episódio e lembra muito outra série ótima: The Killing.
Como assistir: Netflix.

8. Gomorra (Itália)

A produção da Sky Itália é uma adaptação da obra de Roberto Saviano, a qual já ganhou até versões para o teatro e para o cinema, em 2008. A série acompanha a vida dos membros de duas famílias que fazem parte da Camorra, organização criminosa da região de Nápoles. Além de apresentar diferentes perspectivas sobre a mesma situação, a série mostra a máfia nua e crua, sem nem um pingo do glamour hollywoodiano. Se você ficou chocado com Família Soprano, se prepare para Gomorra.
Como assistir: HBO.

9. A Louva-a-Deus (França)

Série lenta (e ótima) para ver com muita atenção. Anos depois de ser presa, uma serial killer, apelidada de Louva-a-Deus, ajuda a polícia a investigar uma série de assassinatos cometidos por alguém que copia seu estilo de matar.
Como assistir: Netflix.

10. Oh My Ghost (Coreia do Sul)

Esse drama coreano — ou como é chamado por lá, dorama — conta a história de Na Bong-Sun, uma mulher tímida e solitária que, desde criança, é capaz de ver fantasmas, herança de sua avó xamã. Um dia, ela é possuída por uma fantasma sexy chamada Shin Soon-Ae. A série mistura drama e comédia de maneira inteligente e foi uma das mais populares da Coreia do Sul.
Como assistir: Netflix.

11. The End of the F***ing World (Reino Unido)

Quem está acostumado com séries britânicas conhece o humor afiado dos ingleses. The End of the F***ing World não é diferente e vem conquistando público e crítica aos poucos. A dramédia acompanha dois adolescentes que embarcam em uma viagem criminosa e vingativa para encontrar o pai de um deles. A trilha sonora é muito inspirada e, aos poucos, a série começa a ficar pesada, tensa e sensível ao mesmo tempo.
Como assistir: Netflix.

12. Suburra: Sangue em Roma (Itália)

Embora não fuja dos clichês das histórias da máfia, é interessante ver a cultura e os problemas de Roma e do Vaticano. A história mostra a luta entre rivais pelo domínio de um vilarejo nos arredores de Roma ser transformada em um paraíso de apostas e jogos de azar.
Como assistir: Netflix.

13. Sombras da Verdade (Israel)

Essa é uma série documental que analisa o assassinato de uma garota israelense de 13 anos e a condenação de um imigrante ucraniano. Como em quase todas as séries desse tipo, o final deixa a gente sem fé na humanidade. É tanta injustiça que a gente termina indignado. Recomendado para quem quer passar raiva.
Como assistir: Netflix.

14. Dois Lados de um Conflito (Israel)

Abordando os conflitos entre judeus e árabes, a série acompanha Doron, um comandante de uma unidade israelense que persegue o militante Abu-Ahmed. Do outro lado, vemos a trágica vida de Abu-Ahmed e sua família, além das razões para o seu ódio contra Israel. Como toda boa série de ação, a história tem um ritmo bem sufocante e deixa o público tenso.
Como assistir: Netflix/Globosat.

15. Please Like Me (Austrália)

Essa ficou bem popular aqui no Brasil por um tempo e é uma daquelas séries queridas às quais a gente precisa dar uma chance. É verdade que o protagonista é bem irritante no começo, mas logo depois a história ganha contornos muito humanos e uma sensibilidade que pouquíssimas produções conseguem ter. Com quatro temporadas, a história acompanha Josh, um jovem de 21 anos que não sabe muito bem para onde está indo na vida. Quando seus pais se divorciam, ele é forçado a voltar para casa para cuidar de sua mãe, que passa a sofrer de depressão, além de lidar com sua homossexualidade recém-assumida. Um amor de série.
Como assistir: Netflix.

16. Skins (Reino Unido)


O drama inglês também é bastante conhecido por aqui e uma das poucas séries que mostram adolescentes fazendo besteiras típicas de adolescentes. Com cenas tanto absurdas quanto dramáticas, acompanhamos a história de um grupo de amigos entre 16 e 18 anos. A cada duas temporadas, a produção muda praticamente o elenco inteiro para vermos novos jovens. Uma versão americana foi produzida em 2011 pela MTV, mas não deu certo.
Como assistir: Netflix.

17. Top of the Lake (Noza Zelândia)

Nem só de The Handmaid's Tale vive o prestígio de Elizabeth Moss. Top of the Lake é uma produção melancólica que mostra uma detetive investigando o desaparecimento de uma menina de 12 anos, grávida, filha de um traficante local. A série, cuja segunda temporada tem uma história diferente, entrega uma atmosfera opressora, estranha e assustadora. O final também é bastante surpreendente.
Como assistir: Netflix

18. Midnight Diner: Tokyo Stories (Japão)

Sabe aquela história que deixa você querendo abraçar a TV? Pois a produção japonesa Midnight Diner: Tokyo Stories é assim. A série se passa em um restaurante fictício de Tóquio, que só abre à meia-noite. Cada episódio conta a história de um personagem e a do prato que a pessoa está comendo. Uma delícia de simplicidade.
Como assistir: Netflix.

19. Breathe (Índia)

Essa série indiana é uma produção original da Amazon e acompanha Sadh, um policial que investiga vários assassinatos de doadores de órgãos. O principal suspeito é um homem que procura desesperadamente um doador para salvar a vida de seu filho.
Como assistir: Amazon Prime.

20. Sherlock (Reino Unido)

A série já é bastante popular no Brasil, mas há quem ainda não tenha dado uma chance. Baseada nas obras de Sir Arthur Conan Doyle, a história mostra como seria se Sherlock Holmes vivesse em plena Londres do século XXI com sua perspicácia e inteligência para resolver mistérios.
Como assistir: Netflix.

21. Requiem (Reino Unido)

Mais uma série inglesa para nossa lista, porque eles sabem fazer TV. Requiemcomeça em 1994, quando uma criança desaparece de uma aldeia. Após 23 anos, em Londres, a mãe da estrela violoncelista Matilda Gray comete suicídio, sem razão aparente. Entre suas posses, Matilda descobre provas ligando sua mãe ao desaparecimento da criança. A produção traz um suspense sombrio e uma fotografia linda.
Como assistir: Netflix.

22. Lilyhammer (Noruega/Estados Unidos)

Para quem é fã de Família Soprano, essa série tem tudo para agradar. Steven Van Zandt interpreta um mafioso que, após testemunhar contra seu chefe em Nova York, entra para o programa de proteção às testemunhas. O governo o leva para a Noruega, onde Frank Tagliano, agora Giovanni Henriksen, pretende passar o resto de seus dias. O problema é que ele não muda seu comportamento ou suas intenções, criando um choque cultural.
Como assistir: Netflix.

23. Mushishi (Japão)

Uma animação linda sobre um homem que estuda os Mushi, criaturas que apresentam poderes sobrenaturais e estão em contato com a essência da vida e da natureza. As histórias são delicadas e, ao mesmo tempo, profundas e reflexivas sem perder o tom de suspense. Poesia mesmo. Uma das séries de animação mais queridas pelos japoneses.
Como assistir: Netflix.

24. The Crown (Reino Unido)

Bem, essa nem precisa dizer, né? Mas a gente coloca na lista porque não pode faltar. A ideia é acompanhar uma década da vida da Rainha Elizabeth a cada temporada. Já vimos duas, e a terceira deve estrear em 2019, com novos atores. The Crown tem uma produção impressionante, um roteiro feito sob medida e atuações para aplaudir de pé. Por isso, ganhou o Emmy de melhor série no ano passado. Merecido.
Como assistir: Netflix.

25. Dark (Alemanha)

Se você quer explodir a cabeça com teorias, viagens no tempo, mil personagens e uma história viciante, essa série é para você. A alemã Dark pegou todo mundo de surpresa quando estreou e foi questionada por muita gente. Afinal, o que é toda aquela loucura? O desaparecimento de duas crianças expõe as vidas duplas e as relações entre quatro famílias de uma pequena cidade. A busca de respostas e um culpado revela os pecados e os segredos da comunidade, enquanto uma reviravolta sobrenatural surge no caso envolvendo outras épocas. O final deixa muito mais perguntas do que respostas, e a gente quer essa segunda temporada para ontem!
Como assistir: Netflix.

26. La Casa de Papel (Espanha)

Achou que a gente ia esquecer de La Casa de Papel? Achou errado. A série espanhola foi um dos últimos fenômenos a aparecer na Netflix e arrebatou o mundo inteiro. Oito ladrões se trancam com reféns na Casa da Moeda da Espanha para realizar o roubo do século: imprimir dinheiro. Óbvio que as coisas começam a dar errado, e você não consegue parar de ver. É uma grande novelona que envolve e deixa o espectador desesperado para assistir ao próximo episódio. Embora a segunda parte da temporada seja bem mais forçada, a história é tão boa que acabamos presos com os carismáticos personagens.
Como assistir: Netflix.
Este texto foi escrito por Rodrigo de Lorenzi via nexperts.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Leitores Anônimos

Pages