Super Drags: quem são as heroínas da animação brasileira da Netflix - Leitores Anônimos

Post Top Ad

Leitores Anônimos

Super Drags: quem são as heroínas da animação brasileira da Netflix

Compartilhar

Demorou, mas a primeira série de animação brasileira originalmente produzida para a Netflix ganhou vida. A temporada de estreia de Super Drags, assinada por Anderson Mahanski, Fernando Mendonça e Paulo Lescaut, foi liberada pelo serviço destreaming no último dia 9. A história é protagonizada por três rapazes simples, mas nada convencionais: Donizete, Patrick e Ralph, que trabalham em uma loja de departamentos durante o dia, mas se transformam em drag queens heroínas à noite.
O trio, que durante suas missões heroicas assume as identidades de Scarlet Carmesim, Lemon Chifon e Safira Cyan, é comandado por Vedete Champagne, uma espécie de Mestre dos Magos do bem (dublada por Silvetty Montilla, ícone da noite gay paulistana), para salvar o mundo da caretice e combater o mal – que, no caso de Super Drags, é personificado por Lady Elza, uma vilã decadente que precisa se apoderar do “highlight das gays” para recuperar sua beleza e juventude.
Ao longo dos cinco episódios da primeira temporada, todos com duração de cerca de 25 minutos e escritos por roteiristas diferentes, Super Drags aborda aspectos da cultura e da experiência de vida LGBT, oscilando, sem abandonar o tom piadista, entre brincadeiras e assuntos mais delicados, como rejeição familiar e autoaceitação. Para deixar você por dentro do que rola na série, preparamos um resumo explicando quem é quem, além de trazer algumas curiosidades sobre a produção.

Conheça as Super Drags (e sua líder suprema)


Donizete é Scarlet Carmesim, a drag cor-de-rosa desbocada e barraqueira. Foi selecionada pela líder Vedete Champagne por conta do seu autocontrole (só que não) e protagoniza algumas das cenas mais engraçadas da primeira temporada. É dublada por Fernando Mendonça, que também atua como diretor da série.
Patrick é Lemon Chifon, a drag de amarelo. Ela tem personalidade maternal e está sempre preocupada com as pessoas no seu entorno, especialmente com as “manas” gays que sofrem com as ameaças de Lady Elza. Além de um doce de pessoa, foi selecionada como Super Drag por sua destreza. É dublada por Sérgio Cantú.
Ralph é Safira Cyan, a drag ruiva, grandalhona e bombada do uniforme azul que adora fazer referência a outras animações. Como sua amiga Lemon, Safira também é um amor, mas fica um pouco atrás nos quesitos coragem e inteligência. A drag foi selecionada por Vedete por sua criatividade e é dublada por Wagner Follare.
Vedete Champagne, líder suprema das Super Drags, é uma das personagens mais divertidas da série. Dublada por Silvetty Montilla, comediante da cena gay paulistana, ela é tão sarcástica e debochada quanto Scarlet, sua pupila cor-de-rosa, e conta com a ajuda do robô Dild-O na missão de combater as “terríveis forças do shade”.

Goldiva, a estrela pop, e Lady Elza, a vilã

Complementam o elenco principal de Super Drags a rainha do pop Goldiva (GIF acima), dublada pela cantora Pabllo Vittar, e a decadente Lady Elza. Goldiva é adorada pelo público gay e está no centro dos surtos de inveja da vilã Elza, que precisa da energia vital dos LGBTs para se manter jovem e bela – e nada melhor do que os shows de uma diva pop internacional para ir atrás do “highlight” alheio, concorda? Aliás, a temática de Elza colocando a fanbase de Goldiva em apuros é o que abre e fecha a temporada.
Entre os coadjuvantes, destacam-se Juracy (GIF acima), a “poc” que aparece já no sequestro do ônibus da caravana de fãs de Goldiva no primeiro episódio, e Sandoval, líder religioso que condena a homossexualidade e é dono do “camping de concentração” para onde Ralph vai quando é rejeitado pelo pai e sai em busca da cura gay, sem sucesso. Juracy também é um dos personagens mais engraçados, em grande parte por conta da dublagem, feita por Suzy Brasil, famosa drag queen e comediante carioca.

“Fechação” nos mínimos detalhes

As piadas de Super Drags não aparecem só nas falas das personagens ou no enredo divertido dos episódios (quando elas precisam entrar em uma batalha de lypsinc para derrotar um inimigo, por exemplo). Se prestar atenção, você vai reparar que os menores detalhes dos cenários também carregam piadinhas pouco evidentes (ainda que bastante clichês, às vezes), como a placa do ônibus das Goldivers (PAU-6969) e o nome da titular de um cartão de crédito (Paula Tejano) que aparece em uma publicidade no interior da loja de departamentos onde Patrick, Ralph e Donizete trabalham – ambos exemplos vistos já no primeiro episódio.

Outro recurso muito evidente em Super Drags é o uso do pajubá, o “dialeto gay”. Quem não está familiarizado com termos como “poc”, “fechação”, “close”, “cacura”, “bafônico” e “shade”, por exemplo, pode até estranhar o palavreado das drags, mas nada que torne a série menos divertida. Aliás, a ideia, segundo os criadores, é justamente dialogar com um público maior que o LGBT – ou seja, você pode (e deve) se jogar sem medo na experiência de tentar entender o que as meninas dizem ao longo dos episódios.

Série também ganhou clipe, curta de Halloween e dubladoras de RuPaul's Drag Race

Talvez você não tenha visto, mas dois dias antes da estreia de Super Drags na Netflix, a cantora Pabllo Vittar lançou em suas redes o clipe de "Highlight", onde interpreta a música-tema e apresenta o trio de protagonistas da série. Ao longo do vídeo, a personagem Goldiva vai se transfigurando até ganhar a identidade de Pabllo, que repete o refrão “Batendo de frente com toda a injustiça/eu sei que uma voz me guia”. Dias antes, a página oficial da série no Facebook já havia lançado um curta especial de Halloween intitulado Credo, que delícia, onde Juracy, a “poc” coadjuvante, passa 5 minutos reinterpretando diversas cenas de filmes de terror, mas com desfechos nada usuais.
Outra curiosidade sobre a série é que, na versão americana, adaptada para o inglês, Super Drags contou com a dublagem de algumas das mais adoradas ex-participantes do reality RuPaul's Drag Race. Artistas como Trixie Mattel, Ginger Minj, Willam Belli e Shangela Laquifa Wadley estão entre as donas das vozes que dão vida às drags brasileiras na gringa.
E você, o que achou da ideia de Super Drags? Na sua opinião, é “shade” ou “highlight”?
Este texto foi escrito por Rodrigo Sánchez via nexperts.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Leitores Anônimos

Pages